Fotos recolhidas da net

Seguidores

Play Novo

Web Rádio "SAUDADE SERTANEJA, transmitindo de Bauru/SP, Sob Direção Geral de Tião Camargo

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Júnior Carvalho e Cristiano

Capa-Blog

Front.1

Int1

Back

Pessoal, pratiquei mais um assalto no blog Amantes da Viola e trouxe prá este álbum. Fiz questão de postar aqui também pois achei esta dupla fantástica, principalmente por ser uma gravação só na base das cordas de viola e violão, tocados por eles mesmo, o que é raro nos dias de hoje.

Se o nosso principal objetivo é preservar a verdadeira Música Sertaneja, estes meninos merecem ser divulgados. Parabéns, moçada! Esperamos que o próximo álbum seja somente com músicas inéditas; estamos carentes de modas novas.

[fundo.jpg]

Sérgio Luís de Carvalho Júnior e Cristiano Ferreira Damasceno, ou simplesmente, Júnior Carvalho & Cristiano, tem como grande objetivo defender e preservar nossa cultura; cantando e tocando as coisas simples e belas de nossa terra.

Júnior Carvalho, nascido em Indaiatuba – SP, estudante, desde a infância foi apaixonado por música raiz e, ao lado de seu pai e do seu avô, sempre ouviu e acompanhou muitas duplas até que ganhou uma viola do seu avô e resolveu aprender os primeiros acordes na viola.

Cristiano, nascido em Campinas – SP, químico, filho de violeiro, teve seus primeiros contatos com a viola desde sua gestação, pois por sua casa passaram nomes renomados de nossa moda raiz, como: Tião do Carro, Carreirinho, Mulatinho, Zé Matão, Pardinho, entre outros.

Como violeiros, já participaram de gravações de CD e DVD de diversas duplas, além de acompanharem em alguns shows e programas de TV.

Amigos há alguns anos e, vindos de formações diferentes, no início de 2010 resolveram se unir para defender nossa moda raiz e manter sempre viva a viola e sua tradição.

Empunhando seus instrumentos, Júnior Carvalho & Cristiano apresentam em seu repertório música de artistas renomados como: Tião Carreiro e Pardinho, João Mulato e Douradinho, Goiano e Paranaense, Tião do Carro, Marcos Violeiro e Cleiton Torres e outros mais, porém, sempre priorizando a música sertaneja.

Com o objetivo de preservar nossa cultura raiz, tendo como metas, o carinho e o respeito pelo público, Júnior Carvalho & Cristiano, esperam atender os anseios de todos aqueles que apreciam uma verdadeira moda sertaneja raiz.

Júnior Carvalho & Cristiano, dois grandes amigos que cantam as coisas simples de nosso sertão.

Contatos com a dupla pode ser feitos através dos telefones:

0XX19 – 3875.9988 / 9735.9966 (Sérgio)

0XX19 – 9154.9046 (Cristiano)

Amigos radialistas, vamos divulgar os meninos; eles merecem

  1. A Viola Me Consola  (Junior Carvalho - Lucas Reis)
  2. Paixão Não Me Maltrate (Ronaldo Viola - Zezé Soares)
  3. Louco Romântico (Zé Mulato)
  4. Sonho de Caboclo (Ademar Braga - Tião do Carro)
  5. O Boiadeiro e o Berrante (J.Wilson - Marcos Violeiro)
  6. Eu, a Viola e Ela (Praense - Peão do Vale - Chicão Pereira)
  7. Coluna do Bom Senso (José Calixto Rodrigues - Marcos Violeiro)
  8. Semente do Amor (Luiz de Castro - Ronaldo Adriano - Muniz Teixeira)
  9. Puro Caboclo (Tião do Carro - Caetano Erba)
  10. Arreio de Prata (Teddy Vieira - José de Almeida - Mário Bernardino)
  11. Opinião de Caboclo (Arnaldo Gomes Leal)
  12. Homem Até Debaixo D'água (Lourival dos Santos - Tião Carreiro - Arlindo Rosa)
  13. Seleção de Polcas (Autores Diversos)


Saudade Sertaneja (Volume 16)

01 - Saudade Sertaneja
01. A Morte de Mariquinha (Sorocabinha)
Mandi e Sorocabinha (1936)
02. Arminda (Cornélio Pires)
Mariano e Caçula (1930)
03. Casinha Pequena (D. P., Arranjos de Paraguassu)
Paraguassu (1935)
04. Catirina (Folclore, Música de João Pernambuco)
Jararaca e Zezinho (1930)
05. Eu Fui Passear na Cidade (Zico Dias e Ferrinho)
Zico Dias e Ferrinho (1932)
06. Itália e Abissínia (Cap. Furtado, Alvarenga e Ranchinho)
Alvarenga e Ranchinho (1936)
07. Mais Vale um Gosto (Zico e Ferrinho)
Zico Dias e Ferrinho (1934)
08. Moda do Beijo (Cap. Furtado, Alvarenga e Ranchinho)
Alvarenga e Ranchinho (1936)
09. Namoro de Cantadô (Raul Torres)
Raul Torres e Serrinha (1937)
10. O Andar da Morena (Zico Dias e Ferrinho)
Zico Dias e Ferrinho (1932)
11. O que Vi na Cidade (Mandi)
Mandi e Sorocabinha (1935)
12. Ouro Branco (Raul Torres e João Pacífico)
Raul Torres e Serrinha (1937)
13. Peneira a Pomba no Ar (Attílio Grany e Raul Torres)
Raul Torres (1930)
14. Pisei no Rabo do Tatú (Raul Torres)
Raul Torres e seu Conjunto (Odeon Grav. 24-05-1933)
15. Que Linda Morena (Raul Torres)
Raul Torres e Serrinha (1937)
16. Roseira Branca (Ochelcis A. Laureano)
Irmãos Laureano (1937)
17. Sabiá Triste (Raul Torres)
Raul Torres., Partic. de Francisco Alves (1934)
18. Triste Caboclo (Paraguassu)
Paraguassu (1932)
19. Uma Flor que já Muchô (Zico e Ferrinho)
Zico Dias e Ferrinho (1933)
20. Você Não Era Assim (José Fernandes)
Alvarenga e Ranchinho (1936)


domingo, 29 de agosto de 2010

João Mulato e Douradinho (1981) Meu Reino Encantado

João Mulato e Douradinho (1981)

João Mulato e Douradinho 2 (1981)

  1. Nordestino Inteligente (João Mulato - Arlindo Rosa)

  2. Meu Reino Encantado (Valdemar Reis - Vicente P. Machado)

  3. Quem Ama Não Esquece (João Mulato - Toninho)

  4. Quem tem Boca Vai a Roma (Tião do Carro - Pardinho)

  5. Calça Trocada (Geraldinho - Liu)

  6. Advogado Honesto (Vicente P. Machado - Zé do Cais)

  7. Laço da Ilusão (João Mulato - Dalva)

  8. Pé do Peito (Lourival dos Santos - Tião Carreiro)

  9. Amor da Minha Vida (João Mulato - Arlindo Rosa)

  10. Coração Amoroso (Arlindo Rosa - Moacyr dos Santos)

  11. A Novela (Jesus Belmiro - Vicente P. Machado)

  12. Nem Marido, Nem Mulher (Eurides Lourenço - João Mulato)

 
Link do blog Amantes da Viola, que, aliás, fazem um belo trabalho. Parabéns

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Juquinha e Junqueira (Mineiro Não Perde o Trem)

juquinha-e-junqueira-Mineir

01 - Mineiro não perde o trem - Silveira/Juquinha

02 - Nossos caminhos - Juquinha/Corrêa Neto

03 - O Punhal da Vingança - José Fortuna/Nino Silva

04 - Perto do coração - Raul Torres/João Pacífico

05 - Deixa a morena chorar - Piraci

06 - Voltei - Juquinha/Milagres

07 - Desprezo - Bié/Juquinha

08 - Paineira Velha - Pirassununga/Juquinha

09 - Chorei demais - Junqueira

10 - Traidor - Piraci/Jéca Mineiro

11 - Meu sofrimento - Paragauyta/Luiz Barreto

12 - Três recados - Nonô Basílio/Sebastião Victor


DOWNLOAD
CRÉDITO: Alessandra
Site Saudade da Minha Terra

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Programa Viola, Minha Viola

Olá caboclas e caboclos da nossa cultura popular caipira, porque será que no dia do folclore 22 de agosto o programa “Viola, Minha Viola” da TV Cultura, que tem como apresentadora a madrinha dos violeiros Inezita Barroso que há 30 anos defende a bandeira da música caipira e suas vertentes na TV, apresentou com ênfase, Emilio Santiago (com todo respeito ao seu trabalho e talento) um pop-star do samba bossa nova e intelectualizado? Fiquei me perguntando ao assistir ele dizendo que tinha sido revelado por Flávio Cavalcante e sua trajetória ao lado dos anti caipiras que nunca exibiu uma dupla caipira nos seus programas, mesmo quando Tonico e Tinoco e Tião Carreiro e Pardinho vendiam milhões de discos e faziam shows por todo o país.

E agora no dia do “folclore” pelo que tanto Inezita trabalhou toda a sua vida, ter que entrevistar Emilio Santiago no programa “Viola, Minha Viola”. Alem do mais, conheço duplas e violeiros que moram no estado de São Paulo e que nunca tiveram uma chance no programa da Inezita, sem falar em artistas como Galvan e Galvãozinho de Anápolis GO, que tem mais de trinta anos sonhando se apresentar no viola, e nunca são chamados.

Li recentemente uma matéria sobre o desmonte da TV cultura, será essa uma forma de fazer a nossa grande guerreira Inezita Barroso, desistir de mostrar a cara de um Brasil que algumas pessoas desconhecem, ou querem competir com o SR. Brasil do Rolando Boldrin, que inteligentemente adotou uma programação onde absorve outra linha do regionalismo sem choque a programação do Viola, Minha Viola, já que ambos estão na mesma emissora?

Fica aqui o meu registro, vamos ficar atentos. Não podemos perder esse programa que é um símbolo de resistência cultural, e a vitrine da música de viola no Brasil. Volmi Batista

Att,
Clube do Violeiro Caipira de Brasília
QOF (Setor de Oficinas) Conjunto C Lote 7
CEP: 71727 - 503
Candangolândia - DF
Telefone: 61 - 3301 5888
Fax: 61 - 3301 1267
Volmi Batista: 61 - 9964 7945
Geralda Luzia: 61 - 8401 6876
Visite Nosso Site
http://www.clubedovioleirocaipira.com.br/

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Salvador e Samuel (1979) Evolução

Salvador e Samuel (1979) Capaca

Salvador e Samuel (1979) ContraCapaca

  1. Evolução (Tião do Carro e Zé Matão)

  2. Baiano e o Boiadeiro (Moacyr dos Santos e Liu)

  3. Amigo Sincero (Tião do Carro e Moacyr dos Santos)

  4. Mamãe Dolores (Paulinho Gama e Bill Marques)

  5. Nova Londrina (Teddy Vieira e Serrinha)

  6. Minha Terra, Minha Infância (Atílio Versutti, Luiz de Castro e Tião Carreiro)Calça Trocada (Geraldinho e Liu)

  7. Calça Trocada (Geraldinho e Liu)

  8. Poeta Sertanejo (Jesus Belmiro e Da Silva)

  9. Floresta de Pedra (Salvador e Léu)

  10. Pé Quente (Moacyr dos Santos e Jacozinho

  11. Boiada Criminosa (Rei da Mata e Célio Pires)

  12. Cascata Branca (Antonio Pomari Sobrinho e Liu)

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Liu e Léu (78 rpm)

liu_leu_01

Lincoln Paulino da Costa (Liu) nasceu em 07 de agosto de 1934, e Walter Paulino da Costa (Léu) nasceu em 02 de abril de 1937, ambos em Itajobi, interior do estado de São Paulo. Filhos de Gabriel Paulino da Costa e Maria Rosa Mendes. São os caçulas dos nove irmãos. Vindos de uma família de tradicionais cantadores, tiveram uma forte influência dos pais, que também cantavam. Aliás, todos ali cantavam, sem nunca sequer imaginar que um dia quatro membros desta família fossem ser profissionais de tão alto gabarito, e alcançar tanto sucesso. Cantavam mais por brincadeira, à tardezinha no terreiro quando vinham da roça, em revezamento com os demais irmãos. Eram sempre convidados a participarem das festas da região para cantar e dançar catíra, outra característica marcante na família. São irmãos dos famosos Zico e Zéca, e primos de Vieira e Vieirinha.
Biografia

Discografia

Fotos

Músicas

Videos
LIU E LÉU

CONTATOS PARA SHOWS:

FONE: (35) 3544-1304/ (11) 2979-4322/ (11) 9800-6142

site oficial: http://www.liueleu.com.br/
Texto: Sandra Cristina Peripato

Fonte: Liu e Léu

-----------------------------------------------------------------------
1959 - CHANTECLER - nº 780127

01 - A - Rei do Café (Teddy Vieira e Carreirinho)

02 - B - Carreiras de Cururu (Piraci, Biguá e Teddy Vieira)


04/1959 - CHANTECLER - nº 780105

03 - A - Boiadeiro Errante (Teddy Vieira)

04 - B - Baile na Roça (Teddy Vieira e Zico)


1960 - SERTANEJO - PTJ-10.059

05 - A - Minha Felicidade (Nízio e Sebastião Víctor)

06 - B - Zé Claudino (Carreirinho)


1960 - PHILIPS - P-61.039-H

07 - A - Nossa Volta (Tuta e Itamy)

08 - B - Amor Distante (Tuta e Léu)


1961 - PHILIPS - P-61.091-H

09 - A - Peão de Ouro (Joel Antunes e Sebastião Santana)

10 - B - Adeus Morena (Tuta e Liu)


1961 - CABOCLO - CS-471

11 - A - Esqueça-me (Liu e Zé Claudino)

12 - B - Tarde Demais (Zé Claudino e Léu)


01/1962 - CABOCLO - CS-505

13 - A - Triste Cabana (Geraldo Meirelles e Zé Claudino)

14 - B - Ladrão de Gado (Teddy Vieira e Nelson Gomes)


1962 - CABOCLO - CS-573

15 - A - Meu Lamento (Tuta e Milton Cristofani)

16 - B - Punhal da Saudade (Sulino e Moacyr dos Santos)


1962 - CABOCLO - CS-584

17 - A - Meu Ranchinho (Sebastião Víctor e Dino Franco)

18 - B - Adeus Minha Terra (Liu e Léu)


1962 - CABOCLO - CS-611

19 - A - Amarga Saudade (Goiá e Biguá)

20 - B - Relembrando (Dadá e Paiozinho)


1962 - CABOCLO

21 - A - Falsa Felicidade (Tuta e Léu)

22 - B - A Caneta e a Enxada (Capitão Balduíno e Teddy Vieira)


---------------------------------------------------------------------------
Fonte:


quemsomos

Sandra Cristina Peripato

Design e criadora do site:

http://www.recantocaipira.com.br/abertura.html

Contatos:

sandracristina17@gmail.com

sandra.cristinarp@hotmail.com

sandracristina17@ig.com.br

recantocaipira@gmail.com

Fone: (11) 7697-1172

(11) 8456-8645
Obrigado, Sandra, pelo belíssimo trabalho que realiza em prol da Família Sertaneja

Ramiro Viola e Pardini (2002) Violeiro Matuto

ramiroviola_pardini Violeiro Matuto (2002)
  1. Homenagem à Viola (Ramiro Viola e Zé Piranha) Declamado: Inezita Barroso e Mazinho Quevedo

  2. Violeiro Matuto (Ramiro Viola)

  3. Fazenda Lageado (Ramiro Viola e Tico Andrade)

  4. A Você Radialista (Ramiro Viola)

  5. Lembranças do Meu Pai (Caetano Erba e Mazinho Quevedo)

  6. Pedágio do Amor (Ramiro Viola)

  7. Barba Azul (Jesus Belmiro e Zé Goiano)

  8. Sonhando com o Pantanal (Valdemar Reis e Zé Goiano)

  9. Violeiro Pagodista (Ramiro Viola e Pardini)

  10. Rio Bonito a Rosa e Eu (Ramiro Viola e Renato Vieira)

  11. Pescador (Carreirinho e Ramiro Viola) Part.: Carreiro e Carreirinho

  12. Saudade Doída (Ramiro Viola)

  13. Volta à Infância (Ramiro Viola e Zé Piranha)

  14. Bate-Papo Caipira (Viola e Acordeon: Mazinho Quevedo e Robertinho do Acordeon)

Postagem do site Saudade da Minha Terra
Créditos: Carlito (Tabapuã/SP)

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Os Amantes do Luar (1977)

Os Amantes do Luar 02

Os Amantes do Luar 01

01. Teu Capricho (Garcia)

02. A Minha Boiada (Nenete e Nardeli)

03. Lágrimas de Homem (Praense e Ado)

04. Monjolinho da Saudade (Jaime Toledo e Tião Vilela)

05. Ausência Do Carteiro (João Fordinho)

06. Vivendo Longe de Mim (Lindomar Castilho e Letinho)

07. Pombinho Mensageiro (Antonio Cruz e Diogo A. Pinto)

08. Caminhando (Prado Júnio e Praense)

09. Ironia do Amor (Correto e Zé Matão)

10. Pescador de Coragem (Tião Vilela)

11.  Lavoura da Ilusão (Prado Júnio e Praense)

12. Amor Ausente (Chimbo)

 
Temos dois LPs de "Os Amantes do Luar"; este de 1977 formado por Tião Vilela, Naraí e Luiz Nogueira, outro, sem data, formado por Tião Ferreira, Naraí, Luiz Nogueira e J. Inácio. Não sabemos nada desse pessoal; gostaríamos que nos enviassem informações sobre eles.

Comunicado

Comunicamos a todos nossos colaboradores e visitantes que, a partir desta data, comentários sobre qualquer postagem, somente serão publicados após aprovação da administração do blog. Infelizmente, tivemos que tomar tal decisão em virtude de algumas pessoas estarem querendo resolver problemas pessoais através deste espaço e, o que é pior, utilizando-se de palavrões e termos ofensivos.

Não somos contra nenhum tipo de comentário ou crítica, muito pelo contrário, são muito importantes para revisarmos nossas atitudes e comportamentos, desde que sejam orientadores e construtivos, sem palavrões, sem ofensas pessoais, sem denegrir a imagem de alguém e que estejam coerentes com os objetivos e missão do nosso blog que é aquela de resgatar, preservar e divulgar nossa Cultura e a verdadeira Música Sertaneja.

Fiquem à vontade e continue comentando, criticando e/ou elogiando quem quer que seja; todos serão publicados, mesmo que postados por pessoas anônimas, desde que sejam feitos da maneira descrita acima.

Quem quiser desabafar suas frustrações, resolver seus problemas pessoais, ofendendo pessoas e falar palavrões através da internet, escondendo-se através do anonimato, basta criar um espaço seu para isso; aqui não vamos admitir esse tipo de coisa. Aqui é lugar de gente descente!

Tião Camargo

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Vitor Hugo e Gustavo – 1º Lugar no Festival da Agrifam em Agudos

Apresentação da dupla Vitor Hugo e Gustavo, da Cidade de Mirassol, vencedora do Primeiro Festival Sertanejo da Agrifam de Agudos/SP, em 14/08/2010, após a premiação

Apenas mais dois grandes violeiros que o Viola, Minha Viola não enxerga.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Que Beleza!!

Achei esta história fantástica.

Fonte: Coluna "Que Beleza" do Tinoco no Site Porteira Brasil

tinocohead

“Festa Junina do Nenê Cabo Verde!″

Que Beleza!!

Vamos mais uma vez contar um pouco das nossas andanças em 75 anos de Carreira.  Como prometi na última coluna, hoje vou contar quando fomos convidados para um Festa em Minas Gerais.

Isso aconteceu em meados de 1953, quando um dia entrou no escritório um contratante chamado Nenê Cabo Verde.  Insistia em levar a gente pois seriam 3 dias de festa com tudo pago.  No começo fiquei desconfiado, pois o hominho enfiou a mão no bolso e já pagou adiantado. Disse que era pras despesas, mas era quase o dinheiro que eu tinha pedido.

No dia marcado chegamos na Fazenda, e na Porteira já encontramos um capanga morto porque não tinha obedecido uma ordem do Nenê Cabo Verde.   Olhei pro Tonico e logo disse:   Vamo faze tudo que o homem mandar pra gente sair vivo daqui.

Ficamos hospedado num rancho, e logo a noite um empregado veio buscar a gente pra cantar na festa.   Era só o Nenê olhar pra gente, a viola já tava tinindo e nós cantando.  Cantamos no palco, cantamos depois que um compadre do Nenê chegou atrasado, cantamos pra mãe do Nenê que não podia andar e assim por diante.  No dia seguinte, recebemos o dinheiro e viramos rapidinho no pé.

No ano seguinte, o Nenê Cabo Verde apareceu no escritório dizendo era pra gente voltar na Festa.   Mais que depressa disse que tinha uma viagem já marcada, e por isso este ano ele levou a Dupla Serrinha e Caboclinho.  Nem preciso falar que eles saíram escondido porque não tiveram a paciência que nós tivemos com o Nenê .  Quando no palco ninguém  aplaudiu no final da música, o Serrinha disse bem alto: é por isso que mineiro perde o bonde, não sabe nem aplaudir dois grandes nomes da musica caipira!

Quando o Nenê ficou sabendo, fez a dupla cantar a noite inteira só pra ele escutar.  No terceiro ano não teve jeito, o Nenê escutava o Programa e sabia que naquela data não tinha nenhuma apresentação. No dia marcado, passamos em Poços de Caldas/MG e contratamos um pistoleiro pra ir com a gente.   Carregamos o carro de armas e tocamos para a Festa.   Quando o Nenê olhou no carro, logo emendei que tava voltando de uma viagem a Mato Grosso.

La fomos nós pro mesmo Rancho e qual a nossa surpresa que na hora da Festa fomos convidados para dançar e participar como convidados,   Ficamos lá os três dias, recebemos o cache sem cantar uma moda se quer.  O pior é que tivemos que pagar o pistoleiro que também não gastou uma bala.

Depois ficamos amigos, hoje tem uma cidade chamada Cabo Verde no sul de Minas.  Não sei dizer se é por causa do amigo Nenê que na verdade  não era nenhum bandido. Em toda região  tinha uma pessoa que colocava respeito. Muitos Nenês encontramos Brasil a fora, eram pessoas que defendiam o povo e ao sistema antigo, comandavam as Cidades pelo Brasil.

Bem por hoje a prosa foi boa,  a semana que vem a gente fala mais.

Tinoco Brasil

11 9640.2315

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Jóias Sertanejas (1966) Coletânea

joiassertanejascapa1

joiassertanejascontracapa2

  1. Flor do Campo (Nízio e Nenete) Nenete e Dorinho (1962)
  2. Disco Voador (Palmeira) Palmeira e Biá (1955)
  3. Paranaguá (Nhô Belarmino) Nhô Belarmino e Nhá Gabriela (1959)
  4. Linda Cigana (Silveira e Dito Mineiro) Silveira e Barrinha (1959)
  5. Pé na Tábua (Ado Benatti, Luizinho e Biguá) Luizinho, Limeira e Zezinha (1955)
  6. Um Berrante na Solidão (Ramon Cariz, Luizinho e Biguá) Campanha e Cuiabano (1961)
  7. Mais Uma Lição (Nonô Basílio) Duo Ciriema (1960)
  8. Grinalda Branca (Silveira) Silveira e Barrinha (1961)
  9. O Menino da Porteira (Teddy Vieira e Luizinho) Luizinho e Limeira (1955)
  10. Não Beba Mais Não (Jeca Mineiro e Orlandinho) Duo Ciriema (1960)
  11. Lá na Fazenda (Francisco Lacerda e Ricardo Jardim) Campanha e Cuiabano (1963)
  12. Couro de Boi (Palmeira e Teddy Vieira) Palmeira e Biá (1954)
  13. Mocinhas da Cidade (Nhô Belarmino) Nhô Belarmino e Nhá Gabriela (1959)
  14. Recordação (Nenete e Goiá) Nenete e Dorinho (1959)

Nenete e Dorinho

Waldemar Castellar de Franceschi, o Nenete - Santa Adélia, SP -1919 - São Paulo, SP - 28/12/1988,

Isidoro Cunha, o Dorinho - Bernardino de Campos, SP-1933.

Palmeira e Biá

Diogo Mulero, o Palmeira - Agudos, SP - 1918 - São Paulo, SP – 1967

Sebastião Alves da Cunha, o Biá - Coromandel, MG – 1927 – São Paulo 2006.

Nhô Belarmino e Nhá Gabriela

Salvador Graziano, o Nhô Belarmino - Rio Branco do Sul, PR-1920 - Curitiba, PR-1984

Júlia Alves Graziano, a Nhá Gabriela - Curitiba, PR-1923 - Curitiba, PR-1996.

Silveira e Barrinha

Nivaldo Pedro da Silveira, o Silveira - Uberaba, MG-1934 – Conquista, MG – 1999

Abílio Barra,  o Barrinha - Conquista,  MG-1929 -  Goiatuba,  GO - 1984.

Luizinho, Limeira e Zezinha

Luís Raimundo, o Luizinho - São Paulo, SP-1916-São Paulo, SP- 1983

Ivo Raimundo, o Limeira - São Paulo, SP-1924.

Carmela Bonano, a Zezinha - São Paulo, SP-1928 - Perdizes, SP – 2002.

Campanha e Cuiabano

Antônio Campanha, o Campanha - Monte Alto, SP - 5/12/1925.

Olívio Campanha, o Cuiabano - Monte Alto, SP - 5/3/1928 - São José do Rio Preto - 16/6/1981.

Duo Ciriema

Aparecida Martins Batista - Franca, SP – 1940

Irene Lopes - Franca, SP – 1941.

DOWNLOAD

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Troncos da mesma raiz

Zé Goiano e os irmãos Tião e Jota Camargo lutam para manter viva a autêntica música sertaneja e até internet vira aliada

Banner 2

Cristiano Zanardi/Agência BOM DIA  - 09/08/2010

Tião (à esq.), Zé Goiano (com a viola, ao centro) e Jota Camargo tocam alguns clássicos da música raiz em bar da Falcão: autenticidade e talento à prova do tempo Tião (à esq.), Zé Goiano (com a viola, ao centro) e Jota Camargo tocam alguns clássicos da música raiz em bar da Falcão: autenticidade e talento à prova do tempo

Sérgio Bento
Agência BOM DIA

Sebastião Laerte Fabro de Camargo, 58 anos, o Tião Camargo, compositor, ex-locutor de rádio nos anos 80 e funcionário aposentado da antiga CPFL, é ferrenho defensor da música sertaneja e de raiz.

“Salvo exceções, hoje impera o jabá. Rádios ganham dinheiro e tocam qualquer porcaria, não estão nem aí para a qualidade”, critica.

E emenda. “Cabocla Tereza” foi feita em 1935, por Raul Torres e João Pacífico e até hoje é cantada. Qual música deste tal sertanejo universitário será lembrada daqui a 75 anos?”, indaga.

Música, para Tião Camargo, precisa contar uma  história. Algo como o drama do dono de sítio à beira do rio Tietê, que teve as terras alagadas com a chegada da represa.  “Meu Pequeno Território” (veja letra nesta página),  musicada por Zé Goiano, venceu o festival de Guarulhos em 1992 e foi gravada por Zé Goiano e Eli Silva.

Tião Camargo sustenta que a música sertaneja de raiz é rica em novos talentos, mas falta divulgação. Para suprir a lacuna, ele está reativando sites para divulgar eventos, cantores e compositores, além da história deste segmento. “É uma atividade muita prazerosa. Outro dia um neto de Anacleto Rosas Junior, autor dos maiores sucessos de Tonico e Tinoco  fez contato conosco. Fiquei muito feliz”, conta.

Ele também defende espaço para violeiros em eventos como a Expo-Bauru. “É incrível que um evento que se diz rural não contemple a verdadeira música sertaneja”, diz. “A Facilpa, por exemplo, em Lençóis Paulista, reserva uma noite”, compara.

Tião não está sozinho.  Milton Aparecido Marqueti, 62, o  Zé Goiano, nascido em Avaí, é violeiro dos bons e homem de poucas palavras. Tímido e aparentemente  abalado pela morte recente  do parceiro Eli Silva, com quem cantou durante oito anos, ele anunciou que a vida e a carreira seguem adiante. Zé Moreno, de São Paulo, será o novo companheiro. E eles já têm dois shows marcados.
Zé Goiano aprendeu a tocar cavaquinho sozinho, aos oito anos. Depois passou para o violão e viola. Ainda garoto já acompanhava o pai, sanfoneiro, animando bailes em fazendas da região de Bauru. Antes da morte de Eli Silva, há pouco mais de um mês, a dupla costumava fazer em média dez shows por mês.

Ele é artista da gravadora Tocantins. Tem dois LPs e oito CDs gravados e orgulha-se de viver exclusivamente da música. Diplomático, ele reconhece o talento de alguns e  diz que chega a comprar e ouvir alguns cantores que fazem o chamado sertanejo moderno. “Gosto de música e alguns têm talento”, define.

Os dois amigos se juntaram no Bar do Geleia, na Vila Falcão, para esta entrevista repleta de sinceridade. José Fabro de Camargo (Jota), 56, irmão de Tião, estava lá e se juntou à cantoria, com violão em punho. Ele apresenta de segunda à sábado,  na 89,7 FM, o programa “No repique da viola”.

Três amigos,  troncos firmes de aroeira, nutridos pela mesma inspiração.  Com a paixão de quem faz e apoio de quem sabe o que é bom, o som se eterniza. É forte a raiz.

Orquestra de violeiros e catira

O compositor Tião Camargo revelou ao BOM DIA que nesta segunda-feira será reativado o Clube da Viola, que passará a funcionar em duas salas cedidas pela Prefeitura de Bauru, na quadra 1 da rua Rio Branco, no Centro.

A meta, entre outras coisas, é reativar o grupo de catira e criar uma orquestra de violeiros na cidade. “Vamos também oferecer curso de viola tanto para quem já é iniciado como para quem deseja aprender este maravilhoso instrumento”, revela Tião.

Outro projeto é promover encontro de violeiros no local e passar a produzir conteúdo para a Rádio Clube  da Viola de Bauru, que funciona na web, no site abaixo. “É um jeito para a música crescer e se manter sempre viva”, diz Tião.

image

Contrate Zé Goiano  & Zé Moreno
Telefones: (14) 3239-2241 ou 9772-3280

Acesse o acervo de Tião Camargo
Site: http://saudadesertaneja.blogspot.com

Site do JORNAL "BOM DIA"

Em meu nome, em nome do Zé Goiano, do meu irmão Jotha Camargo e todos os amantes e admiradores da Música Sertaneja de Raiz, agradeço aos meus amigos João Pedro, Sérgio Bento e todos do Jornal BOM DIA pela força e incentivo à nossa verdadeira Música Sertaneja.

Tião Camargo

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Salvador e Samuel (30 anos)

Salvado e Samuel CD Capa

Salvador e Samuel CD Contracapa

Salvado e Samuel Patrocínio

No início dos anos oitenta, quando iniciei o programa Saudade Sertaneja na Bauru Rádio Clube, vivíamos uma certa escassez de novas músicas sertanejas de raiz. Pelos menos aqui na região de Bauru, só se tocava no rádio duplas como Milionário e José Rico, Chitãozinho e Xororó, João Mineiro e Marciano, Matogrosso e Mathias, etc., que já estavam deixando de lado a verdadeira música sertaneja – aliás, o programa Saudade Sertaneja surgiu justamente com o objetivo de reverter esta situação e, de certo modo,  conseguimos. Nessa mesma época surge a Gravadora Tocantins de propriedade da dupla Liu e Léu abrindo as portas para novas duplas sertanejas que, até então, não tinham como bancar uma gravação de Lp, coisa caríssima para muitos artistas que esperam por uma oportunidade.

Eu, então, vivia a procura de novas gravações de músicas de raiz; fiz muitas viagens a São Paulo em busca de discos e, de repente, inaugura em Bauru uma grande loja de discos, a Barão Discos – que já não existe mais - com quase toda a lista de catálogo da Tocantins, entre tantas dupla, uma me chamou a atenção, com regravações de muitas músicas de Jacó e Jacozinho. Era a dupla Salvador e Samuel com dois LPs. Comprei logo os dois.

Sem nem mesmo saber de onde era a dupla, quem eram seus componentes – coisa que para mim não importava para tocar no rádio - comecei a tocar os meninos em meu programa e fizeram sucesso por aqui. A dupla acabou desaparecendo – pelo menos prá nós daqui de Bauru. Anos depois, o Samuel apareceu por aqui cantando com o filho do Jacó (Antônio Jacob, falecido em 1980) da dupla Jacó e Jacozinho. Enfim, tinha quase que certeza que a dupla Salvador Samuel tinha se acabado, mas sabia que ambos continuavam morando em Palmital.

No Festival Sertanejo de Lucianópolis, desse ano, para minha surpresa e satisfação, aparecem por lá Salvador e Samuel lançando uma coletânea de suas gravações em comemoração aos 30 anos de carreira da dupla, com faixas dos três LPs que gravaram – 1980, 1981 e 193. Não tive muito tempo para poder conversar melhor com eles, mas, o pouco que conversamos notei tratar-se de duas grandes pessoas, além do grande potencial artístico que possuem. Gentilmente, me presentearam com um CD da coletânea que estão lançando e que fazemos questão de divulgar aqui em nosso blog.

Também fizemos questão de divulgar a Bicicletaria Palmital que patrocinou a gravação do CD 30 Anos de Salvador e Samuel por que achamos todos aqueles que patrocinam, incentivam e colaboram com nossa cultrua merecem ser destacados. Parabém ao Salvador e Samuel e a Bicicletaria Palmital.

http://www.romabike.com.br/default/default.asp (site da bicicletaria)

Esse CD não vamos disponibilizar para download por se tratar de um trabalho recente e o pessoal precisa ganhar dinheiro, precisa vender – artista não vive de brisa. Estamos disponibilizando uma postagem do primeiro LPs deles gravado em 1980.

Salvador e Samuel - Capa Salvador e Samuel - Contracapa

  1. Canto Chorando (José Fortuna e Paraíso)
  2. Casinha Modesta (João Carvalho e Aleixinho)
  3. Violinha Barulhenta (Lourival dos Santos e Jacózinho)
  4. Baile de Barraca (Moacir dos Santos e Jacózinho)
  5. Palavra Maldita (Carreirinho)
  6. O Trem da Noite (João Carvalho e Aleixinho)
  7. Cavalo Enxuto (Moacir dos Santos e Lourival dos Santos)
  8. Momento Feliz (Salvador e Samuel)
  9. Como Eu Ninguém Te Ama (Bill Marques e Tony Gomide)
  10. Rosa de Ouro (Quintino Elizeu e Luiz Alves Pereira)

DOWNLOAD