Fotos recolhidas da net

Seguidores

Play Novo

Web Rádio "SAUDADE SERTANEJA, transmitindo de Bauru/SP, Sob Direção Geral de Tião Camargo

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Saudade Sertaneja – Volume 34

naor30

Imagem do site: http://www.verdejava.com.br/lugares/naor/

  1. Beijo na Mão (Haroldo José e Osvaldo de Souza) Gauchito e Biazinho (1964)

  2. Bouquet de Rosas (Bolinha) Trio Mineiro (1950)

  3. Capela do arraiá (Altivir, Altair e Arnaldo ) Trio da Simpatia (1962)

  4. Catarina (Savério Rondinelli e Mineirinho) Bolinha e Mineirinho (1963)

  5. Fazendeiro (Antonio de Oliveira e Mineirinho) Trio Mineiro (1950)

  6. Gaúcho de Verdade (Bié, Juquinha e Danorda Neto) Bié e Juquinha (1957)

  7. Mentiras (Biazinho e João Borges) Gauchito e Biazinho (1964)

  8. Muié do Tião (Zulmiro) Trio Gaúcho (1951)

  9. Nunca Mais (Fernando Dias) Biá e Biazinho (1960)

  10. Pião Viajado (Zulmiro e Felisbino Silva) Trio Gaúcho (1951)

  11. Preço do Perdão (Altivir, Altair e Arnaldo) Trio da Simpatia (1962)

  12. Saudade de Minha Terra ''Saudade da Roça'' (Goiá e Paschoal Todareli) Belmiro e Caxambu (1961)

  13. Sertanejo Abandonado (Osmar Zan e Nonô Basílio) Bié e Juquinha (1955)

  14. Só Deus Castiga (Teddy Vieira e Nízio) Biá e Biazinho (1960 e 1961)

  15. Verdadeiro Trono (Vicente de Sá Abreu e Luiz Bueno) Belmiro e Caxambu (1961)

DOWNLOAD

terça-feira, 24 de julho de 2012

Dia da Música Sertaneja Raiz

Dia Música Sertaneja Raiz

Amigos...
Não percam no próximo dia 14/08 na Câmara Municipal de São Paulo, o Dia da Música Raiz, com presenças de Mococa e Paraíso, Otávio Augusto Gabriel, Ramiro Vióla e Pardini, Compositor Ademar Braga, entre outros.
Compareçam!!!

Sandra Cristina Peripato

domingo, 22 de julho de 2012

Família Bergantin

F.Bergantini 00

Sérgio Bergantin, em pé de bigode, foi o Rio Branco da dupla com o Rio Pardo.

Este CD, ganhei do meu amigo Osvaldo Gaspar do ESTÚDIOSOM G&G de São Paulo, que também autorizou disponibilizar para download.

Foram feitas algumas correções de noeomes dos compositores.

F.Bergantin 01

Bergantin 03

F.Bergantin 02

  1. Minha Infância (Dino Franco) Sérgio e Orlando

  2. Murmurar da Cahoeira (Alcides Moraes, Luizinho e Godofredo) Sérgio e Paulo

  3. Florzinha do campo (Léo Canhoto) Sérgio e Marlene

  4. Destinos Iguais (Ariowaldo Pires e Laureano) Sérgio e Mauro

  5. Buscando a Felicidade (Tupi e Tapuã) Sérgio e Cidinha

  6. Juramento (Dino Franco e Sebastião Vitor) Sérgio e Orlando

  7. Paisagem do Sertão (Luiz de Castro e Pardinho) Sérgio e Sr. Geraldo

  8. Capelinha do Chico Mineiro (Teddy Vieira e Biguá) Sérgio e Orlando

  9. Floraí (Zé Carreiro e Zé Fortuna) Sérgio e Paulo

  10. Sereno da Madrugada (Chiquinho e Tonico) Sérgio e Orlando

  11. Velhas Cartas (Tonico, Tinoco e Zé Paioça) Sérgio e Orlando

  12. Pretos Cabelos (Domínio Público) Sérgio e Marlene

  13. Luz de Minha Vida (Ronaldo Adriano e Creone) Sérgio e Orlando

  14. Castelo de Amor (Creone, Barrerito e Nenzito) Sérgio e Cidinha

  15. Resto de Gente (José Rico e Sagento Castro) Sérgio e Orlando

  16. Paraguaia (Pedro Bento e Zé da Estrada) Sérgio e Orlando

  17. Recordação (Nenete e Goiá) Sérgio e Orlando

  18. Última Canção (José Rico) Sérgio e Orlando

  19. O Gondoleiro do Amor (Castro Alves e Salvador Fábregas) Sérgio e Mauro

  20. O Voo do Condor (Paiva e Doralice Rodrigues) Sérgio e Paulo

DOWNLOAD

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Tião Camargo, Jotha Camargo, João Ferreira e Maria Ferreira

Tião Camargo, Jotha Camargo, João Ferreira e Maria Ferreira

Parte da apresentação ao vivo na Rádio Auri Verde de Bauru

Música “Chitãozinho e Chororó” de Serrinha e Athos Campos

terça-feira, 17 de julho de 2012

Faleceu Predileto da Dupla com Preferido

MEUS AMIGOS, INFORMO COM MUITA TRISTEZA QUE A MÚSICA SERTANEJA NOVAMENTE ESTÁ DE LUTO. FALECEU NESSA MADRUGADA, POR VOLTA DAS 2H, O CANTOR PREDILETO DA DUPLA "PREFERIDO E PREDILETO". O VELÓRIO SERÁ REALIZADO NA ACESF A PARTIR DAS 10 HORAS E O ENTERRO ESTÁ PREVISTO AINDA PARA HOJE 16:30H. ELE TEVE UM INFARTO E NÃO RESISTIU.

OS NOSSOS SENTIMENTOS A TODA FAMILIA, PRINCIPALMENTE AO PREFERIDO E À SEU FILHO MARQUINHOS DOS ESTÚDIOS "ALLTIME" E "MARKIMIX".

Enviado pelo nosso colaborar Ademar Afonso

 

Aos familiares, amigos e fãs, nossos sentimentos

Dupla formada por Diogo Agostinho Pinto, o Preferido, nascido em Cambará/PR no dia 12 de novembro de 1947; e por José Leonildo Garcia, o Predileto, nascido em Bandeirantes/PR no dia 30 de janeiro de 1953. Eles estão na estrada desde 1978 e gravaram seu primeiro disco, um LP que levava o nome da dupla, em 1979.

As músicas de destaque desse disco foram "Boneca Falante" e "Vidas Iguais". Despertaram a atenção de Sulino, da dupla “Sulino e Marrueiro”, então diretor a RGE. Daí, foram para São Paulo, onde gravaram o seu segundo LP, “A Espera do Amor”. Em 1994, gravaram “O Bilhete”, disco que teve mais de 10 mil cópias vendidas. Nessa época eles apresentevam um programa na TV Tibagi de Londrina que ia ao ar, todos os domingos, pela manhã.

Diogo, antes de formar dupla com Predileto, foi parceiro de Taguai e na dupla Taguai e Toniel. Eles gravaram o primeiro LP em 1975 e após certo tempo ele deixa a dupla que segue com outro Toniel. Em 1978 se junta a Predileto para formar a dupla “Preferido e Predileto”.

A discografia de dupla é composta por 5 LP’s, 01 LP de Coletânea e 4 CD’s. Os dois têm um estúdio de gravações, o Estúdio All Time, na cidade de Londrina/PR, onde gravam cantores e duplas do Brasil inteiro. Infelizmente, no dia 17 de julho de 2012,  faleceu José Leonildo Garcia, o Predileto, vítima de um infarto. Seu corpo foi enterrado no mesmo dia no cemitério Jardim da Saudade na cidade Londrina/PR.

Texto: www.vozeviola.com.br

Site: www.recantocaipira.com.br

Duo Esperança

Duo Esperança 01

Duo Esperança 03

Duo Esperança 02

CONTATOS PARA SHOWS:
FONES: (18) 9197-5799 - (18) 9126-1566 - (18) 3265-7215
e-mail: contato@duoesperanca.com.br
Site Oficial: www.duoesperanca.com.br

Texto: www.duoesperanca.com.br

Fonte: www.recantocaipira.com.br

O simpático casal José dos Santos Neves e Lusmar Dias Neves, nascidos em Rancharia-SP, formam também esse belíssimo "casamento musical" que é o Duo Esperança que, com suas belíssimas vozes, nos fazem relembrar a inesquecível dupla Cascatinha e Inhana, conhecida carinhosamente como os Sabiás do Sertão.

Notando a belíssima Interpretação de José e Lusmar, o compositor Dino Franco, de quem são conterrâneos, foi o grande incentivador da carreira musical do casal, após tê-los ouvido se apresentar no Programa "Encontro de Violeiros", na Rádio Comunitária "Esperança FM" de Rancharia-SP.

Tudo começou na época de namorados “cantarolando” em festinhas da família. Casaram em 11 de julho de 1971, tiveram um casal de filhos. Criaram e formaram seus filhos; até então, não se atentaram para carreira artística. Depois de convidados a participar de um programa sertanejo dominical que acontecia na rádio comunitária “Esperança FM”. Foi aí que surgiu interesse; uma vez que muitos amigos pediam para que se apresentassem sempre no programa “Encontro de Violeiros”.
Em virtude das apresentações nesse programa, foi que o “Grande Mestre da Música Sertaneja” DINO FRANCO, ouviu e os incentivou a dedicarem-se à música, e até se dispôs a produzi-los na gravação de um CD.

Ficaram gratos a DINO FRANCO imensamente e aceitaram, sem dúvida, serem produzidos por este grande amigo e companheiro. Gravaram o primeiro CD, um trabalho independente, que foi um sucesso. Venderam mais de 5.000 cópias.

Após este trabalho, através do senhor Paulo César Gomes, proprietário da Editora e produtora BGK, apresentou esse trabalho para a gravadora Atração Fonográfica, a qual os contratou e lançou esse mesmo trabalho no mercado com nova roupagem de capa, mixado e masterizado no estúdio Carbonos. Felizmente, foi um grande sucesso também. Pois este trabalho foi um resgate que fizeram dos saudosos “Sabiás do Sertão”, Cascatinha e Inhana. Hoje, o senhor Paulo César Gomes é empresário e divulgador do duo.

Já fizeram, mais ou menos, 35 programas de televisão, incluindo a rede de parabólicas, transmissões regionais e alguns programas de tv a cabo. Sempre com ótima aceitação. Dentre esses programas, estão incluídos: Viola, Minha Viola (TV Cultura); Brasil Caipira; Unindo o Brasil; Amigos e Viola; Amigos da Viola; Voz e Viola; Fronteiras do Brasil; Caminhos da Roça; entre outros. Recentemente, estará chegando no mercado um novo CD intitulado “Casal Feliz”, produzido pelo “padrinho” e produtor da dupla DINO FRANCO.

Nesse CD tiveram a felicidade de poder contar com as participações especiais de dois grandes amigos. Primeiro, Dino Franco, na música “Menina de Tranças Loiras”, e também, a alegria da participação especial do padre Antônio Maria, na música “É Bom Ter Família”, de sua autoria.

SUCESSOS - 2001

  1. Índia - J. Assuncion Flores e Ortiz Guerreiro - Versão: José Fortuna

  2. Meu Primeiro Amor - Hemínio Gimenez - Versão: José Fortuna e Pinheirinho Jr.

  3. Colcha de Retalhos - Raul Torres

  4. Vai com Deus - Larry Russel, Inez James e Buddy Pepper - Versão: José Fortuna

  5. Recordações de Ipacaray - Zulema Mirkin e Demétrio Ortiz - Versão: Juracy Rago

  6. A Lua é Testemunha - Samuel Lozano - Versão: Inhana e Goiá

  7. Anahí - Oswaldo Soza Cordeio - Versão: José Fortuna

  8. Solidão - Eládio Martinez, J. Assuncion Flores e Maurício C. Ocampo - Versão: J. Fortuna

  9. Noites do Paraguai - Pedro José Carlés e Samuel Aguay - Versão: Nogueira dos Santos

  10. Flor do Cafezal - Luiz Carlos Paraná

  11. Quero Beijar-te as Mãos - Arcênio de Carvalho e Lourival Faissal

  12. Fronteiriça - José Fortuna

  13. Não me Deixe Só - D.R.

     

    RECORDAÇÕES DE CASCATINHA E INHANA – 2003

      1. Índia - J. Assuncion Flores e Ortiz Guerreiro - Versão: José Fortuna

      2. Minha Terra Distante (Mi Dicha Lejana) - Emídio Ayala Baez - Versão: José Fortuna - Participação Especial: Los Brilhantes

      3. Primavera Vazia - Dino Franco

      4. Colcha de Retalhos - Raul Tôrres

      5. Recordações de Ipacaray (Recuerdo de Ipacaray) - Zulema Mirkin e Demétrio Ortiz - Versão: Juracy Rago

      6. Meu Primeiro Amor (Lejania) - Hemínio Gimenez - Versão: José Fortuna e Pinheirinho Jr.

      7. Anahy (Leyenda de la Flor del Ciedo) - Oswaldo Soza Cordeio - Versão: José Fortuna

      8. Solidão (Che Picazu Mi) - Eládio Martinez, J. Assuncion Flores e Maurício C. Ocampo - Versão: J. Fortuna

      9. Noites do Paraguai (Noches del Paraguay) -Pedro José Carlés e Samuel Aguay - Versão: Nogueira dos Santos

      10. Flor do Cafezal - Luiz Carlos Paraná

      11. Quero Beijar-te as Mãos - Arcênio de Carvalho e Lourival Faissal

      12. Fronteiriça - José Fortuna

      13. Vai com Deus (Vaya com Dios) - Larry Russel, Inez James e Buddy Pepper - Versão: José Fortuna

      14. A Lua é Testemunha (Uma Noche Serena y Oscura) - Samuel Lozano - Versão: Inhana e Goiá

      CASAL FELIZ - 2006

      1. Casal Feliz - Jack e Josué Teixeira

      2. É Bom Ter Família - Padre Antonio Maria - Participação Especial: Padre Antonio Maria

      3. Aquarela do Amanhecer - Dino Franco e Ney Wilson

      4. Quem Ama Sente Saudade - J. dos Santos e Télio Dutra

      5. Nossa Noite - José Alfredo Gimenez, Vs. Serafim Costa Almeida

      6. Colcha de Cetim - Cascatinha e José Branco

      7. Tu Sempre Tu - Luiz de Castro, Sebastião Aurélio e Irmãos Vitalle

      8. Casinha Branca - Gilson e Joran

      9. Tulha Velha - Caetano Erba e Paraíso

      10. A Menina de Tranças Loiras - José Fortuna - Participação Especial: Dino Franco

      11. O Seu Adeus - Paiva

      12. Rainha do Campo - Di Lázzaro, José Fortuna e C. Bruno

      13. O Varal - José Fortuna e Paraíso

      14. Ave Maria do Sertão - Conde e Pádua Muniz

      15. Você Pra Mim é Tudo - Carlos Cézar e José Fortuna

      16. La Paloma - Yradier - Versão: Pedro Gonçalves de Almeida

      quinta-feira, 12 de julho de 2012

      Tião Moraes e Moraizinho – Raíz Sertaneja

      Tião M. e Moraizinho 01

      Tião M. e Moraizinho

      Ganhei esse CD desses meninos no Festival do Bairro do Lajeado Distrito da Cidade do Óleo. Eles me autorizaram a postagem, mas infelizmente para fazê-la tive que procurar os autores e compositores em meus arquivos, pois não foram colocados no disco. Como são músicas conhecidas a tarefa foi fácil, mas na próxima não se esqueçam daqueles que realmente fazem as músicas.

      Mas a dupla é boa, são gente simples, humilde e merecem a divulgação e todo nosso respeito.

      1. Amor e Saudade (Dino Franco e José Milton Faleiros)

      2. Estrela de Ouro (Ronaldo Adriano e Tião Carreiro)

      3. Francisco de Assis (José Caetano Erba e Tião do Carro)

      4. Golpe de Mestre (Lourival dos Santos e Mairiporã)

      5. Meu Protesto (Manuelito Nunes e Tião Carreiro)

      6. Oi Paixão (Zé Paulo e Tião Carreiro)

      7. Preto Velho (Jesus Belmiro, Lourival dos Santos e Tião Carreiro)

      8. Saudade (Zé Matão e Tião Carreiro)

      9. Boi Soberano (Pedro Lopes Oliveira, Izaltino Gonçalves de Paula e Carreirinho)

      10. Travessia do Araguaia (Dino Franco e Décio dos Santos)

      11. Tudo Certo (Moacyr dos Santos e Tião Carreiro)

      12. Última Viagem (Carreirinho e Fernandes)

      DOWNLOAD

      quarta-feira, 11 de julho de 2012

      Pedido (fotos de Arnaldo Meireles)

      Prezado Sr. Sebastião Laerte,

      Sou historiador e pesquisador de MPB com 4 livros publicados, gostaria de saber se o senhor tem em seus arquivos fotos de Arnaldo Meirelles, acordeonista que gravou discos na Victor na década de 1930 e atuou também ao lado de Cobrinha, Mariano e Laureano formando o Quarteto da Saudade.

      Preciso finalizar ums pesquisa discográfica e não disponho de fotos de Arnaldo Meirelles.

      Se puder me ajudar ficarei muito grato.

      Luiz Americo Lisboa Junior

      Site: http://www.luizamerico.com.br

      E-mail: luizajr@uol.com.br

      terça-feira, 10 de julho de 2012

      Um Novo Angelino

      LogoCultura

      Músicos reinventam Angelino de Oliveira em projeto premiado

      Angelino

      O espetáculo musical “Angelino – da raiz à vanguarda” é uma homenagem ao grande músico Angelino de Oliveira, numa releitura de sua obra sob um olhar contemporâneo. Premiado no edital para montagens de espetáculos do PIPA 2011, o espetáculo chega ao palco do Teatro Municipal para a primeira noite do Festival de Inverno 2012.

      O sexteto formado pelos músicos Zé Claudio Lino, Rebeca Gryschek, Rodrigo Pinheiro, Buck Cordão, Carlos Vilhena e Moisés Shalon leva a obra de Angelino para imagens jazzísticas e da música brasileira contemporânea (através de improvisos e re-harmonizações) além da música de concerto, criando um rico ambiente musical onde o espectador encontra um ‘novo’ Angelino.

      Serviço:

      Data: 12 de julho de 2012

      Horário: 20h30

      Local: Teatro Municipal Camillo Fernadez Dinucci

      Entrada Gratuitta - retirada de ingressos no dia do evento.

      segunda-feira, 9 de julho de 2012

      Catira na Escola Viver, Bauru

      Preservando a Cultura Caipira. Parabéns!

      Catira na Festa Junina da Escola Viver Waldorf de Bauru realizada em 23 de junho de 2012.

      Pedido de música

      Olá, Tião, como vai?

      Visito sempre seu blog Saudade Sertaneja. Resolvei escrever para fazer uma pergunta, que há tempos tento encontrar a resposta.

      Você deve conhecer a música "Saudade de Ouro Preto", bela valsa. O que eu encontro na internet são gravações instrumentais dessa música.

      Existe a gravação de Tonico e Tinoco, que é a mesma de Alvarenga e Ranchinho. É quase toda instrumental, a não ser no refrão, onde eles entram cantando.

      Mas quando eu era criança, eu ouvia meu pai cantar essa música com outra letra, que começava assim: "Quero rever minha terra, aquelas serras voltar a contemplar".

      Se você pesquisar na internet, vai ver que essa letra é de Edmundo Lys. Meu pai cantava ela inteira, e é claro que ele deve ter aprendido ouvindo alguém cantar no rádio.

      Só que eu já procurei de todas as formas uma gravação dessa música com a letra de Edmundo Lys, completa, e não encontro. Não há registro de nenhuma gravação dessa letra.

      Como pode isso? Como meu pai, na década de 60, já conhecia essa letra? Alguém deve ter gravado, não é possível.

      Gostaria de saber se você conhece alguma gravação com essa letra completa. Existe uma gravação do Roberto Fioravanti, mas é com outra letra, não com essa que eu quero.

      Agradeço muito qualquer informação que você puder me passar a respeito.

      Muito obrigado pela sua atenção e parabéns pelos seus blogs e por seu trabalho de resgate da música caipira.

      Grande abraço.

      João Cesar

      Guaxupé (MG)

      jocele@ig.com.br

      sábado, 7 de julho de 2012

      Pedido de Música

      Olá

      Sou o José Alberto Teixeira Reis da Ilha da Madeira - Portugal

      Procuro uma musica antiga sertaneja que foi sucesso nos programas de radio de cá na década de 70.

       

      Não sei o nome da música mas sei que a letra começava assim:

      "Viva os noivos minha gente tão alegre e tão contente, viva a noiva tão faceira (como) botão de laranjeira" Gostaria de saber se pode me ajudar a dizer o nome e da musica e quem canta...

      Agradeço desde já a atenção

      Abraço desde Portugal

      JAREIS

      reisalbertojose@gmail.com

      sexta-feira, 6 de julho de 2012

      Nhô Moraes – Recordando Barnabé (1969)

      Capa Vinil 1969 Nho Moraes Recordando Barnabe (2)[2]

      NOME CIVIL: Emilio Fingoli
      NOME ASTISTICO: Nhô Moraes
      DATA NASCIMENTO: 1934
      LOCAL: Matão (SP)
      DATA FALECIMENTO: 18/03/2002
      LOCAL: São Paulo (SP)
      NOME DO VINIL: Show de Graça
      DATA: 1969
      SUB-TITULO: Recordando Barnabé
      GRAVADORA: Continental
      Nº DO LP: PPL - 12.411

      DOWNLOAD

      Gentileza: Caipira do Sur de Minas

       

       

      Nossa homenagem ao e saudoso Nhô Moraes

      quarta-feira, 4 de julho de 2012

      Luar do Sertão

      Qual a letra original de Luar do Sertão? Até com Tonico e Tinoco existem gravações diferentes, inclusive sem a última estrofe.

      Luar do Sertão com Vicente Celestino (1952)

      Depois não querem que odeio o sertanejo universitário

      Antônio Vicente Filipe Celestino (Rio de Janeiro, 12 de setembro de 1894São Paulo, 23 de agosto de 1968) foi um dos mais importantes cantores brasileiros do século XX.

      Ah que saudade
      Do luar da minha terra
      Lá na serra branquejando
      Folhas secas pelo chão

      Este luar cá da cidade tão escuro
      Não tem aquela saudade
      Do luar lá do sertão

      Não há oh gente oh não
      Luar como este do sertão
      Não há oh gente oh não
      Luar como este do sertão

      A gente fria
      Desta terra sem poesia
      Não se importa com esta lua
      Nem faz caso do luar

      Enquanto a onça
      Lá na verde da capoeira
      Leva uma hora inteira
      Vendo a lua a meditar

      Não há oh gente oh não
      Luar como este do sertão

      Ai quem me dera
      Que eu morresse lá na serra
      Abraçado à minha terra
      E dormindo de uma vez

      Ser enterrado numa grota pequenina
      Onde à tarde a surubina
      Chora a sua viuvez

      Não há oh gente oh não
      Luar como este do sertão
      Não há oh gente oh não
      Luar como este do sertão

      Luar do Sertão

      Tonico e Tinoco

      Não há, ó gente, ó não
      Luar como esse do sertão

      Ó, que saudade do luar da minha terra
      Lá na serra branquejando folhas secas pelo chão
      Esse luar lá na cidade tão escuro
      Não tem aquela saudade
      Do luar lá do sertão

      Se a lua nasce por detrás da verde mata
      Mas parece um sol de prata
      Prateando a solidão
      E a gente pega a viola que ponteia
      E a canção e a lua cheia
      A nos nascer do coração

      Não há, ó gente, ó não
      Luar como esse do sertão

      Coisa mais bela neste mundo
      Não existe
      Do que ouvir um galo triste
      No sertão se faz luar
      Parece até que a alma da lua
      É que diz, canta
      Escondida na garganta
      Desse galo a soluçar

      A quem me dera
      Eu morresse lá na serra
      Abraçado a minha terra
      E dormindo de uma vez
      Ser enterrado numa grota pequenina
      Chora a sua viuvez

      Não há, ó gente, ó não
      Luar como esse do sertão

      Luar do Sertão é uma toada brasileira de grande popularidade. Seus versos simples e ingênuos elogiam a vida no sertão, especialmente o luar. Catulo da Paixão Cearense defendeu em toda a sua vida que era seu autor único, mas hoje em dia se dá crédito da melodia a João Pernambuco (1883-1947). É uma das músicas brasileiras mais gravadas de todos os tempos.

      Homem simples, sequer alfabetizado, João Pernambuco, a certa altura de sua vida, queixava-se de ter sido vítima de plágio, por parte de Catulo, quanto à autoria desta modinha. Segundo Mozart Bicalho, Catulo "disse uma vez que o Luar do sertão era uma melodia nortista, mais ou menos pertencente ao domínio folclórico". O próprio Catulo, em entrevista a Joel Silveira, declarou: "Compus o Luar do Sertão ouvindo uma melodia antiga (...) cujo estribilho era assim: 'É do Maitá! É do Maitá'". O historiador Ary Vasconcelos, em Panorama da música popular brasileira na belle époque, diz que teve a oportunidade de ouvir Luperce Miranda tocar ao bandolim duas versões do É do Maitá: a original e "outra modificada por João Pernambuco", esta realmente muito parecida com Luar do sertão".

      Leandro Carvalho, estudioso da obra de João Pernambuco e organizador do CD João Pernambuco - O Poeta do Violão (1997), declarou: "Por onde João andava, Catulo estava atrás, anotando tudo; foi o que aconteceu com Luar do Sertão: Catulo ouviu, mudou a letra e disse que era sua".

      • Luar do Sertão foi prefixo musical da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, a partir de 1939.
      • A música foi tocada, por Pixinguinha, Donga e alguns amigos, no enterro de João Pernambuco (Rio de Janeiro. 16 de outubro de 1947)que não teve maiores homenagens.
      • A Rádio Nacional PRE-8, emissora de Rádio criada no Rio de Janeiro em 1936 a partir da compra da Rádio Philips, por 50 contos de réis, tinha como seu primeiro prefixo (a partir de 1939), a música Luar do sertão, tocado em vibrafone por Luciano Perrone.
      • Foi cantada por Marlene Dietrich em sua visita ao Brasil em 1959 ensinada fonéticamente a ela por Cauby Peixoto

      Catulo da Paixão Cearense (São Luís do Maranhão, 8 de outubro de 1863Rio de Janeiro, 10 de maio de 1946) foi um poeta, músico e compositor brasileiro. A data de nascimento foi por muito tempo considerada dia 31 de janeiro de 1866, pois a data original foi modificada para que Catullo pudesse ser nomeado ao serviço público.

      Filho de Amâncio José Paixão Cearense (natural do Ceará) e Maria Celestina Braga (natural do Maranhão)

      Mudou-se para o Rio em 1880, aos 17 anos, com a família. Trabalhou como relojoeiro. Conheceu vários chorões da época, como Anacleto de Medeiros e Viriato Figueira da Silva, quando se iniciou na música. Integrado nos meios boêmicos da cidade, associou-se ao livreiro Pedro da Silva Quaresma, proprietário da Livraria do Povo, que passou a editar em folhetos de cordel o repertório de modismos da época.

      Catulo da Paixão Cearense passou a organizar coletâneas, entre elas O cantor fluminense e O cancioneiro popular, além de obras próprias. Vivia despreocupado, pois era boêmio, e morreu na pobreza.

      Em algumas composições teve a colaboração de alguns parceiros: Anacleto de Medeiros, Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Francisco Braga e outros. Como interprete, o maior tenor do Brasil, Vicente Celestino .

      Suas mais famosas composições são Luar do Sertão (em parceria com João Pernambuco), de 1914, que na opinião de Pedro Lessa é o hino nacional do sertanejo brasileiro, e a letra para Flor amorosa, que havia sido composta por Joaquim Calado em 1867. Também é o responsável pela reabilitação do violão nos salões da alta sociedade carioca e pela reforma da ´modinha´.

      Fonte:http://pt.wikipedia.org

      PÉROLAS DO BRASIL

      Catulo da Paixão Cearense

      Catulo da Paixão Cearense (1863-1946),poeta e compositor popular brasileiro, nascido em São Luís, Maranhão. Ficou famoso no início do século XX pelos versos que compôs para as músicas mais conhecidas da época. Entre elas, Ondas (para Gaúcho, de Chiquinha Gonzaga), Sertaneja (para Nenê, de Ernesto Nazareth), Flor amorosa (sobre polca de Joaquim Calado), Cabocla de Caxangá e Luar do Sertão (sobre temas nordestinos de João Pernambuco). O grande sucesso desta última, que registrou em seu nome, causou uma das maiores polêmicas sobre direitos autorais no Brasil. Bem falante e com uma agradável voz de barítono, Catulo encantava os salões da sociedade carioca, cantando as modinhas com seus versos.

      Improvisador, recitador de poemas, violonista e cantor, Catulo da Paixão Cearense foi o maior divulgador do sertão brasileiro. Coelho Neto comparou-o a Mistral, o grande poeta provençal francês; Mário de Andrade definiu-o como "o maior criador de imagens da poesia brasileira". Suas composições mais famosas são: Luar do sertão, Talento e formosura, Cabocla do Caxangá e os poemas O marrueiro e O cangaceiro.

      Cristiana Isidoro/CONTEXTO

      *Fonte : Enciclopédia Encarta 2000 - Microsoft

      image042

      João Pernambuco por volta de 1926

      http://www.joaopernambuco.com/05/05_1.html

      João Teixeira Guimarães ou João Pernambuco (Jatobá, atual Petrolândia, 2 de novembro de 1883Rio de Janeiro, 16 de outubro de 1947) foi um músico compositor e violonista brasileiro.

      Filho de índia caeté e de português, com o falecimento do pai em 1891 a mãe casou-se novamente, transferindo-se com a família para o Recife. Começou a tocar viola na infância, por influência dos cantadores e violeiros locais.

      Aprendeu a tocar violão com cantadores sertanejos como Bem-te-vi, Mandapolão, Manuel Cabeceira, o cego Sinfrônio, Fabião das Queimadas e Cirino Guajurema.

      Em 1902 mudou-se para o Rio de Janeiro, passando a residir com sua irmã e empregando-se numa fundição. Seis anos depois passou a trabalhar como servente na prefeitura do Rio, mudando-se para uma pensão no centro da cidade. No Rio travou contato com violonistas populares, ao mesmo tempo em que trabalhava como ferreiro, em jornadas de até dezesseis horas diárias. Para os seus amigos e admiradores, em número sempre crescente, contava e cantava coisas de sua terra, daí o apelido de João Pernambuco.

      Biografia completahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Pernambuco

      segunda-feira, 2 de julho de 2012

      Os Turunas - Trio Turuna, Volume II

      A dupla “Os Turunas” era formada por Luiz Rosas Sobrinho (Filho de Anacleto Rosas Junior) e Arraiel Teodoro do Prado; posteriormente, mudaram o nome para “Os Dois Turuna” e, finalmente, com a chegada de Cleusa Rosas, também filha de Anacleto, formou-se o Trio Turuna – foto abaixo.

      Trio Turuna II

      1. Gosto de Ti (Os Turunas) (1961)
      2. João Batista (Luiz Rosas Sobrinho e Arraiel Teodoro Prado)
      3. Juntinho de Ti (Valter Amaral e Anacleto Rosas Júnior)
      4. Londrina Rainha (Anacleto Rosas Jr.) (1969)
      5. Manhã Sertaneja (Anacleto Rosas Júnior e Ivo Signorini)
      6. Mariazinha (Anacleto Rosas Júnior)
      7. Me dê um Abraço (Anacleto Rosas Júnior)
      8. Mestiça (Anacleto Rosas Júnior)
      9. Meu Conselho (Anacleto Rosas Júnior)
      10. Meu Destino (Anacleto Rosas Júnior e Luiz Rosas) (1962)
      11. Meu Prazer (Anacleto Rosas Júnior e Arlindo Pinto) (1962)
      12. Minha Resposta (Luiz Rosas Sobrinho e Arlindo Pinto)
      13. Na Ponta do Reio (Anacleto Rosas Júnior) (1969)
      14. Não Existe (Anacleto Rosas Júnior)
      15. Nome Machado (Anacleto Rosas e Arlindo Pinto) (1956)
      16. Nossa Homenagem ''Visita a Padroeira'' (Luiz Rosas Sobrinho e Arraiel T. do Prado)
      17. Os Três Boiadeiros (Anacleto Rosas Jr.) (1969)
      18. Pertinho do Casamento (Luiz Rosas Sobrinho) (1960)
      19. Pião Assassino (Anacleto Rosas Júnior e Zacarias Mourão)
      20. Pomba Mensageira (Anacleto Rosas Júnior)

      Dois Turunas - Cantam Para o Brasil

      DOWNLOAD