Fotos recolhidas da net

Play Rádio saudade

Web Rádio "Saudade Sertaneja"
Cidade de Bauru, Estado de São Paulo, Brasil
Transmirindo:
Data: ,
Horário de Brasília

PARA OUVIR O PROGRAMA AO VIVO NO YOUTUBE É PRECISO PARAR O PLAY DA RÁDIO, SENÃO MISTURA TUDO

Seguidores

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Dia do Bolachão

Dia do bolachão.

Entre duas importantes datas do mês de abril –19 é Dia do Índio e 21 de Tiradentes- há espaço para um 20 de abril em que se comemora o Dia do Disco, o famoso bolachão, como é conhecido.

A data foi escolhida por ser o dia do aniversário da morte do cantor e compositor brasileiro Ataulfo Alves.

Um pouco da história

Os discos de vinil foram desenvolvidos no início da década de 1950. O nome vinil vem do material plástico utilizado na sua produção, um radical derivado do hidrocarboneto eteno (CH2=CH2) pela retirada de um átomo de hidrogênio. O disco possui ranhuras na forma de espiral. Esse formato faz com que a agulha do toca-discos percorra o caminho da borda até o centro, fazendo a leitura da gravação. Além disso, as ranhuras produzem uma vibração na agulha. Essa vibração vira sinais elétricos, que são transformados em música. O tipo mais comum do disco de vinil é o LP, abreviatura de Long Play, que tem o formato de um círculo com 31 centímetros de diâmetro. Os dois lados do disco são gravados sendo que, cada um, tem capacidade para cerca de 20 minutos de música. Outros vinis menos conhecidos são o EP, que tem 17 cm de diâmetro e cerca de 8 minutos de música em cada lado e o single, disco também de 17 cm de diâmetro, com capacidade musical de cerca de 4 minutos. Este tipo de disco era muito usado por artistas para publicar e divulgar prévias de seus trabalhos.

Estes dados eu copiei parcialmente do link abaixo :

http://www.aletria.com.br/noticias_abre.asp?id=1273

Ramiro Viola – Botucatu

…Palavra do meu grande amigo Braz Baccarin, um dos maiores produtores de discos Sertanejos deste País, sobre discos de Vinil.

Leiam abaixo;

Abs;

Ramiro Vióla.

Meu caro Ramiro, boa tarde

Deixa-me meter a colher nessa história. A primeira experiência na criação do long-play data de 1935. Uma tentativa que foi abandonada pela dificuldade apresentada, mas um engenheiro da Gravadora América Columbia continuou na sua tentativa até conseguir o endento. A comercialização do Lp. nos Estados Unidos começou por volta de 1946 e no Brasil em 1948 ´pela extinta gravadora SINTER, ainda em disco de 10". No Brasil, a primeira dupla a gravar um Lp. de 10" foi a dupla Moreno e Moreninho. Um disco raríssimo que ninguém. O Moreno se orgulhava disso. O Extend-play , disco de 7" , 45RPM. foi criado pela  RCA VICTOR. para concorrer com sua rival e era de melhor qualidade de som e veio para substituir o 78rpm. O disco tinha uma orifício grande no centro , mais ou menos de 3 centímetro de diâmetro. Para reproduzi-lo a RCA criou um toca disco especial ( eu cheguei e ter um e lamento não ter guardado) . Mas no Brasil não pegou. Então foi criado o compacto um disco de 7" mas de rotação de 33.1/3 RPM. Este funcionou por uns 10 anos do Brasil. O Lp. de '12" começou a ser comercializado no Brasil por volta de 1958. As primeiras duplas a gravar nesses bolachões foram Tonico e Tinoco e Torres e Florêncio, a primeira na Continental e a segunda na Chantecler, gravadora que nasceu em 1958. O Lp. de Torres e Florencio tinha o número CMG-2011 e titulo de Cavalo Zaino. O som estereofônico no Brasil foi lançado pela R CA VICTOR em 1956 com apresentação de Vicente Celestino na antiga TV Tupi. Como pouca gente tinha essa nova tecnologia, a TV orientou os telespectadores a ligar um rádio ao lado da Televisão a fim de perceber a movimento do som, de um lado para outro. Eu tenho esse disco que acompanhava os novos aparelhos de som. Eis um pouco dessa história da mania que a gente tem. Eu tenho na minha discoteca um exemplar para provar a história, de cada fase.

Deixo meu abraço;

Braz Baccarin

Nenhum comentário:

Postar um comentário